16 mar

O sistema de planejamento dos recursos corporativos − ou, em inglês, Enterprise Resource Planning (ERP) − é um dos temas que mais instigam os administradores, diretores e outros profissionais que estão na “linha de frente” de pequenas, médias ou grandes corporações. E não é sem motivo que muitos deles decidem buscar uma consultoria para investigar as últimas opções de softwares disponíveis no mercado e descobrir qual deles consegue realmente atender a sua empresa em todas as necessidades de integração entre os departamentos.

Porém, no momento de escolher e/ou avaliar a melhor consultoria para o seu ERP ‒ como, por exemplo, o Microsiga Protheus ‒, é necessário estar atento a alguns critérios de seleção, cuja contribuição pode ser bastante efetiva. Isto porque a aplicação desses critérios pode evitar uma série de frustrações (inclusive no aspecto financeiro) em relação a pacotes tecnológicos que, em vez de simplificar as tomadas de decisão e tarefas de gestão, tornam tudo ainda mais complexo e “labiríntico”. Portanto, vale considerar principalmente os seguintes quesitos:

consultoria_inside

 

#1- Tipo de consultoria

Em resumo, existem três tipos de consultoria no mercado: aquelas franqueadas (pertencentes à própria fabricante do ERP), as homologadas ou partners (que são certificadas pela fabricante e atuam como se também fossem franquias) e as não homologadas, também conhecidas como consultorias independentes.

Por diversas razões, as consultorias independentes tendem a ser melhores do que as franqueadas ou homologadas, e por isso a recomendação é de que elas sejam priorizadas durante o processo de escolha do cliente. Isto porque, entre outros diferenciais, nas consultorias independentes não existe a obrigatoriedade de cumprir metas de vendas estabelecidas pela proprietária do software. Logo, as soluções oferecidas atendem, efetivamente, às reais necessidades do contratante.

Além disso, não bastasse as consultorias independentes realizarem uma avaliação imparcial sobre as demandas de cada cliente, elas ainda possuem um conhecimento mais amplo das opções de mercado. (Para mais informações a esse respeito, confira a íntegra do artigo “Por que uma consultoria independente é melhor que uma homologada?”)

 

#2- Qualidade de atendimento

Como o “universo” dos sistemas de ERP ‒ tal como o Microsiga Protheus ‒ pode ser repleto de conceitos tecnológicos de difícil entendimento para leigos (por exemplo, para profissionais das áreas contábeis, administração, finanças, controladoria, entre outros que não detêm conhecimento em tecnologia da informação), é fundamental que o formato de atendimento da consultoria consiga esclarecer as dúvidas técnicas do cliente.

Na Prox, os consultores “falam a mesma língua” do usuário do sistema ERP, de modo que o cliente possa entendê-lo simplificadamente, assimilando em detalhes o seu funcionamento e a sua correlação com os processos da empresa.  Além disso, cada projeto possui um escopo personalizado e detalhado, com as principais necessidades de cada cliente, para que as soluções sejam definitivas e o retorno sobre o investimento possa ser efetivamente percebido.

A preocupação da consultoria com a qualidade do atendimento é primordial para o sucesso do projeto. Não basta o consultor ter excelente conhecimento técnico, se não tiver a mesma capacidade de se comunicar e de se relacionar de forma assertiva com os usuários do sistema. É por isso que a Prox promove sessões de coaching-group trimestralmente para os seus profissionais, além de treinamentos web constantes, como você pode conferir neste link: https://www.youtube.com/channel/UCJsbgDsryULsRG0bhF0eSbg.

 

3- Conhecimento e experiência em tecnologia

Um sistema de ERP mal arquitetado pode provocar “dor de cabeça” nos usuários quando apresenta bugs de difícil resolução − ou seja, problemas técnicos que exigem vasto conhecimento em TI para serem solucionados. Por isso, é imprescindível que, além do ERP, os consultores possuam domínio em novas tecnologias, aplicativos, linguagem web e todas as vertentes digitais que se relacionem diretamente com ERP.

Este, aliás, é outro diferencial da Prox, que se preocupa em manter os seus consultores sempre atualizados e alinhados à evolução tecnológica por meio de treinamentos e workshops constantes.

 

4- Coordenação técnica

Uma consultoria séria tem como premissa que todo o seu atendimento seja supervisionado/gerenciado por um coordenador técnico, que não apenas possua conhecimento sobre os conceitos de gestão de projetos, mas também de sistemas. Trata-se de algo imprescindível, que confere ao cliente toda a garantia de que ele precisa quanto ao perfeito controle/desenvolvimento do seu projeto, e até mesmo a intervenção técnica do coordenador para a solução de uma demanda prioritária.

Partindo de uma consultoria supervisionada por um coordenador técnico, a Prox consegue elevar o nível de governança em TI dos seus clientes, independentemente do segmento e do porte da empresa contratante.

 

5- Conhecimentos em negócios

Sem a compreensão da dinâmica comum aos negócios, a consultoria pouco terá a oferecer a uma empresa. Isto porque uma das propostas básicas do ERP é estabelecer uma “sinergia” entre os processos e as metas de expansão da organização – algo impossível de projetar quando os consultores não assimilam conceitos como business intelligence, governança corporativa, competitividade, eficiência produtiva, entre outros.

A Prox vai além do conhecimento em tecnologia. No DNA da Prox e de seus consultores, está incorporada a importância do conhecimento em negócio. Assim, a Prox conta com uma equipe apta a articular sobre as mais diversas problemáticas de negócios e se antecipar às urgências corporativas de seus clientes, tanto no que se refere ao crescimento da empresa e à redução de custos quanto em relação ao ganho de desempenho nas rotinas diárias e à mensuração de resultados.

 

6- Preço

Já parou para se perguntar por que é que, inclusive entre consultorias independentes, algumas cobram quase a metade do valor orçado por outras, quando todas (ao menos aparentemente) afirmam estar lhe oferecendo o mesmo serviço?

Sem dúvida, o quesito “preço” está entre os mais determinantes para a decisão do cliente. E é precisamente aí que ele deve avaliar: quais os diferenciais apresentados pela consultoria cujo orçamento lhe parece mais “caro” num primeiro momento? E quais os possíveis prejuízos de acatar uma proposta mais barata?

A primeira coisa a analisar é o escopo: em vez de estudar a verdadeira necessidade do cliente e o seu tipo de negócio, muitas consultorias têm como praxe a apresentação de um escopo padrão. Já nas consultorias comprometidas com os resultados e a qualidade das soluções que disponibiliza, o escopo detalhado está contemplado no valor do serviço.

A segunda questão diz respeito à especialização e à experiência do profissional que prestará o atendimento. Para ilustrar a importância dessa avaliação, consideremos o seguinte exemplo: enquanto a consultoria A vende cada hora de trabalho a R$ 150 reais, a consultoria B a vende por R$ 90. No entanto, o cliente solicita um atendimento para o Microsiga Protheus, e a consultoria “mais barata” não dispõe de colaboradores com comprovada experiência nesse tipo de ERP. Mas, a consultoria “mais cara”, sim. Então, enquanto o representante da consultoria A resolve o problema em apenas 1 dia (1 dia = 8 horas / 8 horas x R$ 150 = R$ 1.200), o consultor da consultoria B requer 1 semana inteira (5 dias úteis = 40 horas / 40 horas x R$ 90 = R$ 3.600). O que ficou mais caro, afinal?   

 

7- Transparência

Por último, é essencial que o cliente possa acompanhar com total transparência todo o planejamento das atividades, bem como o seu andamento e execução. Isto também inclui a documentação de todas essas atividades que serão realizadas. (Até porque, como no caso do Microsiga Protheus estamos nos referindo essencialmente a uma ferramenta de conhecimento, é fundamental que esse conhecimento seja transferido por meio de uma documentação objetiva, funcional.)

Na Prox, a partir dos sistemas de controle on-line que são disponibilizados, o cliente visualiza o “panorama” de atividades desde o escopo até a entrega final da solução. Desta forma, ele obtém uma visão transparente e em tempo real das atividades que estão sendo executadas pela consultoria de acordo com nível de prioridade estabelecido pela empresa, além do controle do volume de horas utilizado, sejam atendimentos de suporte ou melhorias.

 

Por fim, vale ressaltar que os 7 tópicos listados acima podem ser tranquilamente utilizados como referências por empresas que buscam o melhor custo-benefício em consultoria para ERP e principalmente para o Microsiga Protheus sem, contudo, renunciar à excelência em tecnologia e atendimento.  

Para mais informações sobre sistemas de ERP, continue navegando pelo blogue da Prox!

 

Microsiga Protheus é uma marca registrada da Totvs S.A.

Renato Souza
SOBRE O AUTOR
Renato Souza – Diretor Comercial da PROX

Profissional especialista nos processos administrativos de controladoria com passagem pela TOTVS SA onde se especializou nas áreas fiscal e contábil. Atuou também em outras consultorias de ERP como analista e coordenador de projetos de implantação de ERP.

Facebook LinkedIn Skype 

Fechar

Nós entramos em contato com você!

[_post_title]